Entrevista com Toninho -Técnico em Equinocultura e instrutor de equitação.

Fale um pouco sobre sua experiência no ramo de cavalos.

Minha paixão pelos cavalos começou aos 6 anos de idade. Na verdade, me apaixonei pelas ferraduras. Foi aí que, ainda criança, decidi que queria cavalos na minha vida e seria ferreiro um dia, o que acabou acontecendo anos mais tarde. Exerci a profissão por 6 anos.

Focado na minha formação profissional, passei pelas modalidades clássicas e western: salto, adestramento, rédeas, três tambores e enduro. Atuei como cavaleiro e treinador nas modalidades salto e enduro e gerente de haras e centros de treinamento de cavalos de esporte. Foram mais de 500 cavalos domados, entregues iniciados em suas respectivas modalidades.

Como surgiu a ideia de um curso profissionalizante do tratador de cavalos? Qual foi a sua motivação?

Nesses mais de 40 anos vividos com os cavalos em competições, haras, hípicas e centros de treinamentos constatei a carência de profissionais qualificados para cuidar dos cavalos, os “tratadores”. Isso me incomodou muito durante muito tempo, até que decidi desenvolver um curso para formação desses profissionais.
Iniciamos o curso em 2012 e estamos na 33ª turma, com mais de 300 profissionais certificados e algumas dezenas de cavalos mais felizes.
A motivação para isso? Os cavalos! Dedico minha vida a eles.

Qual o perfil dos alunos do curso?

O curso é rico em conteúdo, tem uma abordagem moderna, uma visão futurista, isso atrai alunos com perfis variados: são tratadores em busca de capacitação, aspirantes à carreira de tratador, estudantes e profissionais de nível superior de várias áreas em busca de conhecimento.

O curso utiliza o natural horsemanship em um método de manejo que o senhor define como manejo inteligente. Pode explicar esses termos?

O natural horsemanship é uma filosofia de trabalho onde o conhecimento do comportamento natural da espécie e da comunicação através da linguagem corporal norteia a relação com os cavalos.
O manejo inteligente é constituído por um conjunto de ações inovadoras, planejadas com foco na evolução e bem-estar do cavalo; na formação do tratador, tornando-o consciente da sua importância, comprometido e motivado, e na otimização dos procedimentos, gerando segurança nas atividades, economia de água, de energia, de cama das cocheiras, evita o desperdício de feno, reduz a zero a incidência de cólicas, consequência de manejo errado, além de outros.

Por que a ênfase no manejo com foco no bem-estar animal?

O bem-estar do cavalo deve estar acima de tudo. Somente cavalos saudáveis física e mentalmente conseguem desenvolver todo seu potencial, seja qual for sua função.
Só que o bem-estar do cavalo vai muito além de alimentação e uma cocheira com cama. Os cavalos estão sendo criados como pets, tirando suas características naturais. As consequências são muitas: baixo desempenho, estereotipias, lesões, diminuição da vida útil, só para citar alguns.

Existe hoje uma diversidade enorme de materiais e equipamentos para os cavalos. A escolha adequada também faz parte do manejo inteligente?

A escolha dos materiais e equipamentos é parte do conjunto de ações do manejo inteligente e visa proporcionar o bem-estar do cavalo.
O mercado oferece uma grande variedade de materiais e equipamentos de qualidade que atende desde as necessidades básicas até as mais avançadas. No entanto, há também o que chamo “perfumaria”: são equipamentos fabricados com pouca ou nenhuma tecnologia e materiais de baixa qualidade. Esses equipamentos oferecem pouco ou nenhum conforto para os cavalos, podem causar problemas e devem ser evitados.

O senhor tem em casa cavalos campeões recordistas que são também exemplos de longevidade e saúde. O manejo inteligente contribuiu para esses resultados?

Não há dúvidas de que contribuiu. O manejo inteligente propõe a utilização do cavalo pensando sempre no seu bem-estar.
A longevidade dos cavalos está relacionada a basicamente 3 fatores: a genética, que dá a ideia de um potencial esperado; o tipo, que mostra se o indivíduo pode realmente funcionar; e o manejo, que é constituído por todas as ações propostas ao cavalo ao longo da sua vida.
Veja, um indivíduo geneticamente bom, com um tipo funcional desejado, precisa de um manejo eficiente para fazer acontecer todo esse potencial. Simples assim!


Antonio dos Santos (Toninho)
Técnico em Equinocultura, instrutor de equitação
diretor/instrutor de cursos na Oficina do Cavalo, Itatiba, SP.

(Visited 125 times, 1 visits today)

Leave A Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *